Quando a família funciona bem?




A interrogativa revolvia em minha mente após duas breves temporadas de visita a casa de amigos. Uma refeição até vai, mas quatro ou cinco dias é tempo demais para fazer cerimônia na frente de visita. Há um universo de silêncios, indiretas, intrigas recorrentes e suspiros de decepção, algo muito grande para ser contido em nome do fazer sala. Uma hora alguém se trai, seja por exaustão ou por ter se esquecido do estranho no canto da mesa. E isso autoriza os outros a deixarem de represar tudo que sentem e querem dizer.  A não ser quando a família tem um talento especial para fingir que tudo funciona bem.

Mas quando uma família verdadeiramente funciona bem? Quando te apoia na hora que você precisa. E mesmo que você não saiba que precisa, ela está lá e te apoia, e não apenas concorda. Oferece suporte e todo o acolhimento necessário, independentemente do que necessite. Porque ser uma família muito unida, tipo comercial de margarina que se junta todos os domingos e sorri para fotos, isso pode até ser fácil. Mas difícil mesmo é manter a harmonia quando cada um toca seu próprio instrumento e a sua maneira, em tons diferentes, à procura de seu próprio ritmo. Dificílimo, embora algumas famílias toquem de ouvido, enquanto outras passem a vida tentando achar o tom.

Pense nisso...