Culpa - sentimento democraticamente distribuído!




Culpa, sentimento democraticamente distribuído.  Não há quem não o tenha sentido alguma vez na vida. Mas qual a função desse sentimento tão pesado e opressor? Eu diria que é a solução falsa e perversa frente a tudo aquilo que não podemos justificar, compreender ou aceitar. Então racionalizamos nos culpando.

Mas a culpa, na maioria das vezes, simplesmente não procede. E isso se dá, pelo simples fato de que nada que pudéssemos ter feito, teria realmente mudado os fatos. E em outros, jamais saberíamos. 

Por isso, é melhor deixarmos a culpa com o tamanho que ela realmente tem. Quase sempre bem menor do que o imaginado. Só assim deixa de ser uma bola de ferro amarrada ao pé, para então, ser só uma advertência.

Pense nisso...