E o que seriam os desafios?





Descobri o verdadeiro conceito da palavra desafio, quando, aos 52 anos, resolvi ingressar em um projeto, até então muito, mas muito desafiador: Abandonar uma relação de muitos anos e viver só. Um projeto de mudanças significativas, intensas e um verdadeiro “divisor de águas”. 

Dizem que desafios são pontos de ruptura, ações que não temos certeza se estão dentro do nosso campo de possibilidades. E assim é. Tive que processar a saída de uma vida “segura”, e deixar para trás minha zona de conforto, e assumir com total responsabilidade tudo que diz respeito a mim mesma, ou seja, minha vida pessoal, financeira e profissional. E confesso que no início foi assustador, porém depois de dois anos, já consigo cumprir boa parte, de tudo aquilo a que me propus.

Mas nada disso estaria acontecendo agora, se eu não tivesse acreditado, trabalhado e potencializado todas as minhas ações, em direção a isso. Porque esse é o ponto de partida para construirmos a nossa história, e conquistarmos o mundo que queremos para nós.

Estabelecer desafios é sempre importante. E encontrar algo que seja grande o bastante para inspirá-lo, também. Portanto, se a primeira vista o desafio lhe parece impossível de realizar, aí está uma boa pista, de que você tem uma ótima oportunidade em suas mãos. E digo isso por experiência própria, pois todos tentaram de alguma forma me convencer, que seria impossível para uma mulher, aos 52 anos, reconstruir sua vida. O que me fazia sentir ainda mais otimista, confiante, e com a energia necessária para não permitir que meu espirito relaxasse e cedesse ao ócio, ao lugar comum, a mesmice e a conformidade. Porque esse é o caminho para que se instalem as doenças do corpo, mente e coração. Por isso não se deixe influenciar pela opinião alheia. Nunca.

Hoje foco no presente e projeto meu futuro.  Já não alimento, e tão pouco lamento o que não ocorreu no passado. Transformo os meus dias no melhor que posso, e aproveito ao máximo o prazer de cada nova conquista, agradecendo sempre pela coragem de saltar a tempo, da tediosa roda dos dias iguais.