Quando o passado marca presença...




Hoje a força do passado marcou presença, e não resisti. Cumpri percurso por cenários que fizeram parte de minha vida, e me pergunto: 

Como lidar com o que ficou para trás, se ao se transformar em passado os afetos e desafetos não desaparecem, simplesmente mudam? 

O que era amor, passa a ser ressentimento? 
O que era doce, se azeda? 
O que era mágoa, vira impulso de morte?



A vida para ser completa, e concluir o seu ciclo, precisa incluir paradoxalmente o momento da separação, da perda e do fim. Mas como lidar com o que vem depois? Como lidar com a dificuldade em conviver com os momentos congelados, quando o passado nem sempre passa e vem feito um pesadelo recorrente, feito uma sala cheia de fantasmas? 

Às vezes "ficar para trás", é somente força de expressão. E das mais inadequadas.