Um olhar e muitos sentimentos!


Nesse momento estou a milhares de metros acima da terra firme, em um voo noturno de Paris a Buenos Aires, voltando para casa depois de uma viagem de vinte e um dias pela Europa. 

Finalmente as luzes se apagaram e todos se acomodam para dormir, o que para mim é praticamente impossível, pois me sinto tremendamente desconfortável nesse espaço tão reduzido - e nunca falta aquela pessoa que ao tentar se acomodar invade o espaço alheio. 
E sem conseguir dormir, abro meu computador e revejo as imagens que fiz durante minha viagem.


Istambul, Turquia

Istambul, Turquia

Istambul, Turquia

Disse Pierre Verger em seu discurso sobre o ato fotográfico que o primeiro instrumento de trabalho de um fotógrafo é o olhar seguido da câmera e do objeto fotografado. Verger nos diz também que o bom fotógrafo deve olhar sem enfrentamentos, ou seja, ser receptivo.


 Istambul, Turquia

Istambul, Turquia

Istambul, Turquia 

O tal olhar de um fotógrafo não é um dom raro nem especial. Assim como o olhar fotográfico também não é artístico. Pelo menos não necessariamente. Qualquer um pode ter esse olhar simplesmente porque é técnico, e como tal passível de aprender-se. Fazer arte com uma câmera é outra coisa. Este sim, um dom. 


 Istambul, Turquia

 Istambul, Turquia

Istambul, Turquia 

Istambul, Turquia

Mas deixando Verger de lado, e refletindo como turista sobre o tal jeito de olhar, percebo agora que em muitas vezes errei  a mirada. Não olhei para um determinado lugar como ele realmente merecia. Fui negligente na medida em que o enfrentei com meu olhar estrangeiro, ingênuo e despreparado. 

Istambul, Turquia 

Atenas, Grécia

Atenas, Grécia

E, em minhas andanças pelo mundo tenho aprendido que viajar é mesmo uma arte, sobretudo porque o turista precisa de tempo e algum treino para desligar o seu olhar estrangeiro e aceitar que isso é condição fundamental para ampliar as possibilidades de gostar do que vê. Afinal, viagens são irmãs da curiosidade, e esta do aprendizado. 


Atenas, Grécia

Atenas, Grécia

Paris, França

Atenas, Grécia


Olhares isentos costumam abrir caminhos, ainda que nem sempre garantam que o que se vê, agrade.


Paris, França

Paris, França

Paris, França

Por ano, milhões de pessoas entram num avião e atravessam meio planeta para conhecerem outros lugares. O que nos move? Por que viajamos tanto? Para conferir? Transferir? Confirmar? Ver? Rever? Interagir? Absorver? Respirar? Comer? Sentir? Ouvir? Namorar? Comemorar? Esquecer? Lembrar? Fugir? Descansar? Fotografar? 


Istambul, Turquia 

Saber as razões pela qual amo viajar, jamais foi um mistério para mim, pois sempre esteve relacionado com a minha personalidade curiosa e inquieta. É quando eu descubro um pouco mais de alguma coisa, aprendo muito sobre outras tanto e encontro algo mais em todas as coisas. 

                                  Kusadasi, Turquia

                                                    Dia de navegaçao no Princess Cruises