Dia Internacional da Mulher


                                              



Dizem por aí que somos seres complexos e contraditórios. Que mudamos de ideia com frequência por não sabermos o que queremos, portanto, de nós mulheres não se sabe o que esperar. Será? Ou seriam só as velhas e distorcidas teorias sobre a mente feminina sustentada por homens que se sentem impotentes diante dos nossos quereres?

Ao contrário do que pensam, sabemos o que queremos e a proporção exata de cada um de nossos quereres. Eles é que não sabem nada sobre nós ao passarem demasiado tempo buscando desvendar somente nossos prazeres, quando na verdade deveriam estar mais atentos aos nossos sentimentos, desejos e virtudes.

Somos seres completos. Vivemos entre um corpo que cuidamos, uma mente que alimentamos e um espírito que se recusa a ocupar o lugar de vítima ou figura anônima.

Somos mulheres. Às vezes fêmea e macho. Outra frágil e forte, libidinosa e casta, ousada e recatada, mãe, filha, irmã, esposa, amiga, amante, empresária, enfermeira, faxineira, atleta, sonhadora e idealista. Somos muitas em uma só, lutando para alcançar muito mais do que este mundo machista quer nos oferecer.