terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Sentimento viajante...


                                                   

Obviamente não era o mais distante que ele havia estado de casa. Já havia percorrido o mundo e visto o sol dos mais diversos pontos da terra, quando 
incansável buscava pelos prazeres que acreditava estarem escondidos do outro lado do oceano.

                                           
O mundo é por natureza um lugar hostil e implacável. Mas ele transpôs todas as barreiras. Enfrentou todo tipo de adversidade na busca de suas respostas e voou sem destino. Fez do mundo o seu lar. Tornou-se um hábil viajante. Um acumulador de conhecimentos e boas relações porém, não vínculos reais. Nem com nada, nem com ninguém.

E agora está de volta. E nada poderia ser mais desconfortável do que a rotina vazia que experimentava. Um sentimento de não pertencimento e inadequação. A estranheza de não sentir-se mais parte do lugar. A triste sensação de que a maior distância do mundo experimentava ali, em sua casa. 
Havia se tornado m estranho. Um intruso em seu próprio ninho. Um estrangeiro de si.